.

Histórico

NO MUNDO

Criado pelos hindus, no século 13, o Badminton (chamado inicialmente de POONA) só teve maior destaque quando foi levado para a Inglaterra por oficiais do exército britânico, em 1850.
Praticado na Inglaterra pela primeira vez na propriedade de Badminton, em Glaucestershire, o esporte se organizou em 1934, com a fundação da Federação Internacional de Badminton.
Hoje 153 países são filiados à FIB, que levou o Badminton a ser o segundo esporte mais praticado no mundo perdendo apenas para o futebol.
Esporte de exibição nas Olimpíadas de Munique/1974 e de Seul/1988, o Badminton foi oficializado, e passou a valer medalhas em Barcelona/1992. Logo na estréia como esporte olímpico, 1 bilhão e 100 mil pessoas assistiram aos jogos do Badminton pela televisão.

NO BRASIL

O badminton ganhou sua primeira competição oficial em solo brasileiro com a realização da I Taça São Paulo. Nove anos depois, um passo decisivo para o desenvolvimento da modalidade no país: a criação da:Confederação Brasileira de Badminton-CBBd.
Em 1995 o badminton do Brasil participa pela primeira vez dos Jogos Panamericanos e do Campeonato Mundial de Equipes Mistas - Sudirman Cup, tendo ficado em 3º lugar no seu grupo de cinco países. Em 1997 e 1999 o Brasil ficou, respectivamente em 5º e 4º no seu grupo de 8 países.
Em 1996, durante os jogos realizados em Atlanta – EUA, o atleta Paul-Erik Hoer Larsen da Dinamarca, sagrou-se campeão olímpico de Badminton. Este fato surpreendeu os especialistas e espectadores da modalidade pois derrubou a hegemonia asiática que já perdurava anos.
A partir desta olimpíada, o Badminton obteve uma maior cobertura da mídia, em especial, dos canais de televisão por assinatura especializados em esportes. estas transmissões permitiram a mais pessoas conhecerem a velocidade e a beleza dos seus jogos.
Em 1999 o Brasil participou dos Jogos Panamericanos de Winnipeg no Canadá tendo alcançado o 4º lugar em duplas masculino, ficando muito próximo de conquistar uma medalha de bronze.
Em 2003 o badminton brasileiro nos Jogos Panamericanos de Santo Domingo, alcançou o 5º. Lugar em simples masculina, dois 5º. Lugares em Dupla Mista e dois 5º. Lugares em Duplas Masculinas.
Em 2007, a esperança é que o Brasil consiga uma medalha nos Jogos Panamericanos, já que a disputa acontecerá em território nacional.

NO RIO GRANDE NORTE

Quando realizava sua pesquisa para elaboração do trabalho final da Especialização em Esporte Escolar no ano 2006, o Prof. Antônio Carlos/Cazuza conheceu o Badminton através de buscas pela Internet. Curioso foi atrás de mais informações e adquiriu um kit básico da modalidade para praticar, ainda que de maneira rústica, pois ainda não tinha conhecimentos sobre a técnica e códigos gestuais que constituíam o esporte. Através de contatos com a Confederação Brasileira de Badminton (CBBd) e informando de sua intenção de conhecer melhor e implantar o esporte no Estado, foi enviado ao RN uma equipe de Pernambuco para ministrar o primeiro curso técnico da modalidade. A partir desse momento, o esporte foi crescendo e se desenvolvendo no Estado. Posteriormente, foi realizado o segundo curso técnico e no final de 2007 a Confederação Brasileira de Badminton enviou o Treinador da Seleção Principal para qualificar os profissionais que desenvolviam o esporte no RN.

Nossas primeiras conquistas:
- Campeão do Circuito Nordeste em 2006;
- Uma atleta do Nordeste (Evelly de Araújo) conquista pela primeira vez uma medalha internacional – 2006 Pan americano júnior - Campinas/SP;
- Inclusão da modalidade nos JERNS 2006 como demonstração;
- Inclusão da modalidade nos JERNS 2007como Avaliação;
- Inclusão da modalidade nos JERNS 2008 de forma oficial;
- No ano de 2008 a modalidade se fortalece e passa a integrar as competições dos Jogos Universitários do RN, Jogos dos Comerciários e Jogos dos Industriários;
- Em 2009 a FNBd em parceria com a CBBd foi realizado o primeiro curso de árbitro de Badminton em nível nacional e realizada pela primeira vez uma etapa do Campeonato Nacional de Badminton no Nordeste na Capital do Rio Grande Norte, Natal.


O ESPORTE

O badminton é um esporte popular nos países da Europa e Ásia, tais como Inglaterra, Suécia, Dinamarca, Indonésia e China.
É o esporte com raquete mais veloz, onde pode atingir até 300 Km/h, além de uma plástica maravilhosa tanto para quem assisti como para pratica.
Tendo várias vertentes, estudos científicos conduzidos pelo Departamento de Educação Física na Universidade de Baylor mostram o badminton como uma das melhores atividades de condicionamento. Em nível competitivo, ele requer explosão, muitas corridas e saltos, bons, reflexos e boa coordenação entre mãos e olhos. Mesmo o mais rápido serviço no tênis ou a mais potente rebatida no beisebol nas ligas principais parecerão uma imagem em câmera lenta.Em um único jogo, um jogador pode facilmente acertar centenas de rebatidas em velocidades duas vezes maiores do que as mais rápidas velocidades no tênis ou beisebol da liga principal. Mais de 100 batidas no jogo serão feitas com balanços de braço estendido. Há muito mais balanços do que no beisebol profissional.
O badminton exige pelo menos duas pessoas para ser jogado. No entanto, como jogo de recreação, não há nada que impeça alguém de jogar com um número ímpar de pessoas ou até jogar sem a rede. Pelo fato de ser um dos esportes mais flexíveis, o badminton pode ser jogado em qualquer superfície relativamente plana e dura, tanto descoberta como coberta, sem perder os benefícios decorrentes dos exercícios.
Finalmente, caso você esteja apenas tentando matar o tempo livre ou tirar proveito dos benefícios de um dos melhores exercícios que já praticou, o badminton irá garantir que o tempo gasto valha a pena. Tal como em outros esportes ou jogos, a coisa mais importante no badminton é sair e se divertir. Como lazer, o Badminton pode ser praticado por qualquer pessoa sem limite de idade. Mesmo para quem nunca praticou, em poucos minutos começa a acertar a peteca e o divertimento é garantido. Para a prática do esporte, precisa-se de um ambiente fechado para não haver influência de vento, devido à leveza da peteca e cerca de 10m de altura, já que a peteca é golpeada para o alto.
Outro fator importante do esporte é a não violência, não existe contato físico entre os jogadores, não é o golpe mais violento que ganha, e não tem barulho durante o jogo. A estas características, acrescentamos a integração e amizade que se forma nas comunidades de jogadores de Badminton. É uma ligação muito amigável e carismática que faz com que as pessoas queiram se juntar para jogar.

MATERIAL

Peteca

A "bola" usada no Badminton é uma frágil e aerodinamicamente eficiente peteca. As petecas usadas em competições pesam entre 4.74 e 5.50 gramas. Existem dois tipos de petecas, as tradicionais, feitas com penas de ganso e as sintéticas, feitas de nylon. Ambas possuem bases esféricas feitas de cortiça ou poliuretano, contendo um pequeno peso de chumbo, sem o qual a peteca seria muito leve para percorrer as distâncias necessárias. A velocidade da peteca está ligada com o tamanho e a temperatura do local onde o badminton será praticado, em outras palavras, com a resistência do ar.

Raquete

A raquete é, sem dúvida, o principal equipamento do badminton, sendo sua escolha muito importante para um bom desempenho nas quadras. Elas variam de 85 à 110 gramas em peso.
Cordas, são as partes mais importante da raquete, permitindo um golpe certeiro e rápido. É vital que o encordoamento tenha a pressão certa, não podendo ser frouxo nem muito apertado. Normalmente, as cordas devem ter uma tensão de 5.9kg (13lb). Um encordoamento bem feito e cuidado deve durar de dois a três anos. Se as cordas arrebentarem evite remenda-las para não causar maiores danos a raquete, repare elas imediatamente.


REGRAS BÁSICAS

DIMENSÃO DA QUADRA E REDE

O piso da quadra deve ser feito de material antiderrapante, e suas marcações serão feitas de cores facilmente identificáveis (branco ou amarelo). O espaço entre a quadra e as paredes que cercam o recinto não deve ter menos de 1m (até as paredes laterais), e de um 1,5m (para as paredes de fundo). A rede de badminton deve ficar a 1,55m de altura do chão. Ela deve ter uma trama bem esticada de forma que seus fios superiores fiquem no mesmo alinhamento dos postes. A rede pode ser fixada em postes ou em suportes fora da área da quadra.

SISTEMA DE PONTUAÇÃO

A partida será constituída de melhor de três “games” a não ser que definido anteriormente de outra forma, vence o game o jogador que atingir primeiro 21(vinte e um) pontos com no mínimo 2(dois) de diferença. Os jogadores trocaram de lado a cada inicio de cada game.

SERVIÇO

Os saques, no badminton, sempre são realizados na diagonal, como no tênis. O serviço, tanto no jogo de simples quanto no de duplas, inicia-se pelo lado direito da quadra do sacador, que deve lançar a peteca, obliquamente, para o lado esquerdo da quadra adversária, tomando-se por referência a visão do sacado.
Vencendo o ponto, continua sacando o mesmo jogador, devendo apenas inverter a sua posição na quadra. Sacará, então, para o lado direito da quadra adversária, havendo perda do ponto, o saque passa ao companheiro de equipe, sem que haja modificação na posição dos jogadores.
Perdendo este, também, seu saque, o serviço transfere-se à equipe adversária. Desta forma:
a) perdendo o primeiro ponto, transfere-se o saque para o companheiro de equipe do sacador;
b) perdendo o segundo ponto, finda o serviço da equipe, que passa aos adversários.
Há, porém, uma exceção. No primeiro saque de cada game , a perda do ponto importa a perda do serviço, que passa automaticamente à equipe contrária, sem que o companheiro do primeiro sacador sirva.
O receptor não deve se mexer até que o sacador golpeie a peteca. O sacador tem que: a) manter parte ou ambos os pés numa posição imóvel no chão; b) acertar a base da peteca primeiro; c) acertar a peteca abaixo da sua linha de cintura; d) acertar a peteca abaixo da linha da mão que segura a raquete; e) manter o movimento contínuo da raquete, não podendo enganar o adversário. Sempre que uma equipe saca à direita, isto significa que sua contagem - no momento do saque - é par. Se o saque é pela esquerda a pontuação, necessariamente, será ímpar.